Portal da Cidade Guaratuba

CASO EVANDRO

Globoplay lança vídeo com catálogo para 2021 com Caso Evandro entre as produções

Série ainda não tem data definida de estreia, mas deve ser lançada nos próximos meses

Postado em 17/02/2021 às 09:33 |

(Foto: Reprodução Globoplay)

(Foto: Reprodução Globoplay)

A Globoplay lançou um vídeo de divulgação do catálogo para 2021. Entre outras produções, imagens da série "O Caso Evandro" se destacam. 

O lançamento da série vem gerando muitas expectativas desde o sucesso do podcast em sotrytelling do Anti Cast, Projeto Humanos: O Caso Evandro.

Uma das produções que estava com lançamento previsto para 2021, assim como o Caso Evandro, Doutor Castor, já foi lançado pela plataforma de streaming da Globo.

A série é uma produção documental que traz as pessoas envolvidas no caso para dar seus relatos e contar suas memórias. A produção deve ter oito episódios.

Em entrevista ao UOL, o diretor da série, Aly Muritiba, afirma que a produção deve seguir o rigor jornalístico de Mizanzuk. E que, por mais que seja um crime que chame a atenção pelos ritos macabros, a série toca muito mais na complexidade do sistema judiciário brasileiro.

Podcast 

O podcast Projeto Humanos: Caso Evandro fez um enorme sucesso contando a história do desparecimento do menino de 7 anos Evandro Ramos Caetano, em 1992, em Guaratuba. 

A produção traz informações detalhadas em storytelling de processo, depoimentos e entrevistas. As reviravoltas de um dos casos mais complexos do Brasil fizeram do podcast um sucesso de downloads.

O caso

O caso, que também é conhecido como "As Bruxas de Guaratuba", aconteceu em 1992, quando o menino Evandro, de 7 anos, desapareceu no trajeto entre a casa e a escola. O crime é ainda uma das maiores feridas abertas da história da cidade.

Dias depois um corpo foi encontrado em um matagal sem alguns órgãos, e com pés e mãos cortadas. Para a Polícia Militar, a criança foi morta em um ritual religioso encomendado por Celina e Beatriz Abagge, esposa e filha do então prefeito da cidade, e mais três pais de santo. Os cinco chegaram a confessar o crime, mas depois alegaram que tinham sido torturados pela polícia para admitir o ritual.

O caso se arrastou por mais de 20 anos, com cinco julgamentos diferentes. Um dos tribunais do júri, realizado em 1998, foi o mais longo da história do judiciário brasileiro, com 34 dias.

Na época, as rés foram inocentadas porque não houve a comprovação de que o corpo encontrado era do menino Evandro.

O Ministério Público recorreu e um novo júri foi realizado em 2011. Beatriz, a filha, foi condenada a 21 anos de prisão. A mãe não foi julgada porque, como ela tinha mais de 70 anos, o crime já tinha prescrito.

Fonte:

Receba as notícias de Guaratuba no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário